PSDB não vai liderar movimento a favor de impeachment

O Senador Aloysio Nunes comunicou aos deputados que o partido não vai liderar o movimento a favor do impeachment de Dilma – mas explicou que, se o processo for instalado no congresso, o PSDB apoiará. Segundo O Globo, a falta de consenso partidário impede que se tome a ponta do processo de impedimento da presidente.

PSDB não vai liderar movimento a favor de impeachment de Dilma, diz Aloysio Nunes

Para mais informações:
PSDB não vai liderar movimento a favor de impeachment de Dilma, diz Aloysio Nunes

Brasil já acumula 8,4 milhões de desempregados

Esse número apresenta um aumento de 23,5% em relação ao segundo trimestre de 2014. De lá para cá, um batalhão de 1,6 milhão de brasileiros passou a buscar emprego sem ser contemplado. Esse movimento ocorre em todas as regiões do país, mas a GloboNews destaca o casa da Bahia, com o desemprego em 12,7%. Em todo o país, a taxa já chega a 8,3%, a maior dessa série histórica.

Foto: Roberto Stuckert Filho em 18 de agosto de 2010
Foto: Roberto Stuckert Filho em 18 de agosto de 2010

Para mais informações:
IBGE: 8,4 milhões de brasileiro estão desempregados

Artigos

Moro envia para o STF documentos que indicam repasses suspeitos para Gleisi

O juiz Sérgio Moro enviou ao STF documentos que podem comprovar repasses ilícitos para Gleisi Hoffmann. Paulo Bernardo, marido de Gleisi, ex-ministro do planejamento do governo Lula, também é alvo da investigação dos valores que transitaram pelo “Fundo Consist” – empresa envolvida em empréstimos consignados  no Ministério do Planejamento. A suspeita sobre a senadora surgiu a partir de documentos apreendidos no escritório de advocacia de Guilherme Gonçalves, jurídico da campanha de Gleisi, na deflagração da Operação Pixuleco II.

Lava Jato vê ‘pagamentos sem causa’ a Gleisi

Para mais informações:
Lava Jato vê ‘pagamentos sem causa’ a Gleisi

O homem de confiança de Michel Temer

Eliseu Padilha tem um importante papel de articulador do governo com a base aliada. Homem de confiança de Temer, Padilha está cotado para assumir um futuro superministério que poderá agregar as secretarias de portos e aviação civil, formando uma grande pasta de infraestrutura. Dilma pretende cortar 10 ministérios do governo, proposta da oposição que foi rechaçada pelo PT durante a campanha, mas que depois ganhou voz em maio com o PMDB.

Para mais informações:
Padilha é cotado a assumir futuro superministério

Governo tenta ganhar tempo

O governo espera que a crise política esfrie e pediu mais 15 dias de prazo ao TCU para explicar os indícios de irregularidades na prestação de contas. No dia 17 de junho, o tribunal de contas apontou 13 irregularidades com as chamadas pedaladas fiscais. O governo pediu para o prazo de respostas ser estendido e, no 12 de agosto, o TCU  encaminhou novas solicitações de esclarecimentos. Já é a segunda vez que o governo tenta ganhar tempo e os pedidos de explicações aumentam. O ministro Nardes ainda não deu resposta sobre o pleito do governo.

Para mais informações:
Governo pede mais 15 dias de prazo ao TCU para explicar prestação de contas

Reportagens

Dilma já nomeou mais de 100 ministros

O Globo preparou um infográfico mostrando todos os cargos ocupados nestes quase 5 anos de mandato. Entre os ministérios mais movimentados estão os do Transporte, Turismo e Educação. Aquele que é considerado por muitos como o mais dispensável – o da Pesca – também figura no topo da lista dos que caíram nas mãos de mais agentes públicos (com um total de 5 ocupantes). Apenas 7 dos 39 ministérios mantêm o mesmo titular desde janeiro de 2011.

Foto por: Agência Brasil - ABr - Agência Brasil
Foto oficial da presidente Dilma Rousseff e do vice-presidente Michel Temer com os 37 ministros empossados, 1º de janeiro de 2011

Para mais informações:
As trocas ministeriais de Dilma

O PT recuou da ofensiva a Cunha

Corre na imprensa que a ordem teria teria partido de Lula. E o sintoma maior é o cancelamento da reunião em que Rui Falcão, presidente do partido, traçaria os próximos passos contra o presidente da câmara. Na semana passada, protestos organizados pelo governo pediam a cabeça do deputado fluminense na mesma tarde em que Rodrigo Janot, procurador-geral da república, ofereceu denúncia ao STF contra Cunha. No dia seguinte, já escapava nos colunistas políticos a estratégia da oposição para iniciar o impeachment de Dilma Rousseff ainda nesta semana. Ao que tudo indica, era um bom plano, ou o PT não teria puxado o freio.

PT cancela reunião com Falcão que debateria postura da sigla em relação a Cunha

Para mais informações:
PT cancela reunião com Falcão que debateria postura da sigla em relação a Cunha

Governo estuda cortar 10 ministérios

O PMDB começou em março a pregar a redução de ministérios e disse que cooperaria. Na época Dilma não colocou para frente a ideia, mas parece que hoje o governo resolveu abraçar a proposta do PMDB. Com isso, o ministro do planejamento anunciou uma reforma administrativa em que prevê a extinção de 10 ministérios, venda de imóveis do Estado e redução dos cargos comissionados. Ainda não há uma data certa para a reforma que prevê um controle maior de gastos, mas, ao que tudo indica, PMDB e PT tentam entrar em sintonia novamente.

Para mais informações:
Para reduzir gastos, governo estuda cortar 10 ministérios

No senado, Renan segue o plano de Dilma para aprovar Janot

Há hoje ao menos três PMDBs: o de Temer, o de Cunha e o de Renan. Um no planalto, um na câmara e outro no senado. O do senado segue aliado de Dilma e se articulou para, mesmo após uma dura sabatina contra Rodrigo Janot, aprovar a manutenção do PGR no cargo por mais dois anos. Há quem acredite que, após a recondução, o procurador se sentirá mais livre para investigar até mesmo os presidentes da república e do senado. Mas esse não parece ser o temor justamente dos presidentes da república e do senado.

PMDB costura acordo para aprovar Janot no Senado

Para mais informações:
PMDB costura acordo para aprovar Janot no Senado